Ciclo Reprodutivo das gatas!

curdom1

 

Ciclo Reprodutivo em Gatas

 

 Em gatas, o óvulo só é libertado depois de cruzar. Se após a gata cruzar, o cio persistir, é porque não houve fecundação e a fêmea não está prenha.

 

Em algumas fêmeas, basta cruzar uma vez para se ter ovulação; em outras, são necessárias várias montas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A duração e o que ocorre durante o ciclo depende de:

           Se o cruzamento ocorreu,

           Se houve ovulação,

           Se houve concepção,

           Se houve gestação,

           Se houve parto,

           Se houve lactação.

Os intervalos entre os ciclos duram em média 6 semanas em gatas que cruzam mas não ficaram prenhez.

Se sabe quando a fêmea está para entrar no cio, ou já está nele, quando ela se esfrega demais nas coisas e nas pessoas, e fica rolando no chão, fica mais carinhosa, começa a urinar mais, e as vezes urina em jactos para demarcar território, como os machos. Ela “chama” o macho, entorta a coluna com o rabo para cima, desvia a cauda para um dos lados, abaixa – se sobre os membros anteriores, dá passos rápidos com os membros posteriores e mostra desejo de cruzar. Pode haver perda de apetite. O macho é atraído tanto por seu comportamento, como pelo seu miar, quanto pelo odor de sua urina.       A passagem da fase anterior para a fase do cio é rápida, podendo ser em 6 horas.    

O Seu cio é chamado de sazonal por depender da época do ano, depende da duração da luz do dia, que é mais longa em épocas quentes e mais curto no frio.

O cio pode durar de 5 a 14 dias em épocas quentes, e em épocas menos quentes, de 1 a 6 dias.        

A estação do ano em que o aparelho reprodutor da fêmea está em descanso também é regulada pela duração do dia. Dentro de cada fase ocorrem 2 a 3 ciclos de 2 semanas. Cada cio duro de 2 a 7 dias ou mais.

Ciclo da gata:

           Ocorre o cio;

           Período de gestação de 58 a 72 dias (média 63);

           Parto;

           Período de lactação de 6 a 8 semanas;

           Cio depois de 2 a 4 semanas após o desmame.

 

O primeiro cio depois de uma gestação geralmente ocorre 8 dias após o desmame, em média 8 semanas após o parto.

Alguns relatam o cio até 7 a 10 dias após o parto.

O 1º cio é muito variável, dependendo da raça, idade, e época do ano que o animal nasceu. Geralmente o primeiro é ao atingir um peso de 2,3 a 2,5 kg (geralmente aos 7 meses), mas podem ocorrer até aos 3 meses, ou em raças de pelo longo, até com 12 a 18 meses (de 4 a 10 meses). O que é mais determinante nesses casos é a época do nascimento com relação a estação de acasalamento. Se o animal nasce 1 mês antes da época de calor, então ele só vai entrar no cio na época de calor seguinte.

A actividade reprodutiva pode ir até uns 14 anos, porém com o tempo o número de gatinhos por ninhada, e o próprio número de ninhadas começam a diminuir.

Os machos têm sua maturidade sexual aos 9 meses em média, com um peso aproximado de 3,5 Kg. Pode ocorrer aos 7 meses e aos 12- 18 meses, tem as mesmas variáveis das fêmeas. Antes disso, aos 4 meses, podem ter a simulação de cruzamentos, mas a produção de espermatozóides só começa aos 5 meses.

É completamente contra-indicado fêmeas cruzarem no primeiro cio (ideal é por volta dos 16 a 18 meses) e machos antes dos 12 a 13 meses.

 

Dra. Maria T.C. Galvão do Amaral -Veterinária

http://www.saudeanimal.com.br

 

 

 

 

Ter ou não ter?!?

cao

http://www.mundodosanimais.com

Se procura um amigo de quatro patas passe por um abrigo e procure nas associações, abrigos e canis, aí poderá encontrar um cachorrinho ou um cão adulto que seja exactamente aquilo que procura num cão.

Mas há motivos pelos quais deve ponderar se deve ou não adoptar um canídeo.

Nunca deve:

 – Nunca adoptar um cão por impulso;

 – Nunca adoptar um cão para dar ao filho de 4 anos pelo Natal;

– Nunca adoptar um cão para oferecer sem saber se a pessoa a que se destina realmente o quer;

– Nunca adoptar um cão só porque é bebé, parece um “ursinho” ou uma bola de pêlo;

– Nunca adoptar um cão se não tem condições monetárias para o manter;

– Nunca adoptar um cão se está a pensar ter um bebé e tem medo de alergias;

– Nunca adoptar um cão se não tem onde o deixar nas férias e não pretende levá-lo consigo;

– Nunca adoptar um cão com menos e 8 semanas de idade, excepto se o mesmo estiver em perigo de vida;

– Nunca adoptar um cão se não tiver tempo e/ou disponibilidade para ele;