Associação Protectora de Animais do Cadaval

Archive for Maio, 2009

Cãezinhos bebés!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 26, 2009

 

288

289

282 Estes cãezinhos serão de porte pequeno/médio e  é possível que alguns venham a ter o pêlo semi comprido como a mãe.

 Para adoptar algum destes meninos ou meninas, deve ligar o 931769212 .

Junho de 2009

adoptados carimbo

 

 

Anúncios

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Pingas…o pequeno acrobata!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 26, 2009

MotivationalPosterrtu

Sou um cão de porte muito pequeno.

Fui abandonado e deixado à minha sorte!

 Estava tão assustado que não saía do mesmo sítio à espera que os meus donos voltassem…mas eles nunca voltaram para me virem buscar.

Estou numa família temporária que já acolhe muitos outros animais que tal como eu foram abandonados pelos seus donos e confesso que queria um lar só para mim.

Sou muito meigo e sossegado, não dou muito trabalho! Queria tanto encontrar alguém que ficasse comigo e tratasse de mim.

05/04/2010

Ficaria grato até viver pois nunca me esqueci do que é  ser abandonado pelos nossos melhores amigos.

Está esterilizado,desparasitado e vacinado contra: Raiva, Esgana, Hepatite, Leptospirose, Parvavirose e Tosse do canil.

Para adoptar-me pode contactar a APAC: 931769212.

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Florbela – a vigilante!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 26, 2009

MotivationalPosterhu

Está desparasitada e vacinada contra: Raiva, Esgana, Hepatite, Leptospirose, Parvavirose e Tosse do canil.

Adopção a : Fevereiro/2010

Para adoptar esta “menina” deve ligar para a APAC.

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Gorky…o obediente!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 26, 2009

MotivationalPoster

Sou o Gorky!

Um husky siberiano com olhos azuis  e uma pelagem felpuda, pareço um lobito.

Fevereiro/2010

Andava por aí perdido nas ruas onde fui abandonado até que me acolheram temporáriamente e estou numa casa com mais amigos que foram encontrados nas mesmas circunstâncias.

Precisava de uma família que quissesse um amigo…eu! Dou-me bem com outros cães, com crianças, com gatos, enfim sou um cão simpático à espera de uma oportunidade para ser feliz e ter um canto só meu.

Está desparasitado, esterilizado e vacinado contra: Raiva, Esgana, Hepatite, Leptospirose, Parvavirose e Tosse do canil.

 Para me adoptar pf ligue para o nº 931769212.

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Lisa…a simpática!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 26, 2009

 04/10/2009adoptado carimboMotivationalPosterh

 Tenho cerca de 1 ano!

Sou bem comportada e uma das minhas qualidades é ser obediente. A meiguice também faz parte da lista das minhas características.

Sou de porte pequeno e cruzada de podenga.

Gosto de brincar e muitas vezes sonho com um sítio confortável só para mim…um lar com uma família que me dê mimos e atenção.

 Fico aguardar essa oportunidade, pois apesar de ser novinha já sofri que bastasse.

Está desparasitada e vacinada contra: Raiva, Esgana, Hepatite, Leptospirose, Parvavirose e Tosse do canil.

Para adoptar-me deverá contactar a APAC através do nº 931769212.

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Encontrou-se um husky perdido!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 26, 2009

 Encontrou-se no cadaval, ontem, dia 25 de Maio, uma cadela de raça husky, jovem e meiga. Andava perdida no Alto do Bacalhau no Cadaval ao pé da estradaIMG_4943 nacional em risco de ser atropelada.

O animal apresenta-se bem tratado mas não tem chip.

Se perdeu um animal com estas características pf ligue para a APAC através dos nºs 931769212 ou 927295099 .

01/06/09Devolvido ao Dono carimbo

Posted in Animais perdidos | Leave a Comment »

Cãezinhos para dar!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 21, 2009

a 25 e 27/05/09adoptados carimboIMG_4881IMG_4878

 

 

 

 

 

 

 

 

Estes dois cãezinhos têm um mês e 1 semana de idade.

O castanho já foi adoptado agora falta o pretinho que espera encontrar um bom lar que o trate com carinho ao longo da sua vida. São dois “meninos” que quando crescerem serão de porte médio/grande.

São uma ternura! 

Para adoptar deve ligar para a APAC através do nº 931769212.

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Coelhinha para adoptar!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 19, 2009

MotivationalPosterj

IMG_4869

Adoptada a 21/05/09

Esta coelhinha tem 3 anos e ficou sem a sua dona que faleceu.

Está habituada a estar dentro de casa e vai à caixinha fazer as necessidades.

Adora ver televisão!

Uma excelente companhia para alguém que queira ter um animal de estimação calmo e tranquilo.

Ela só quer umas festinhas, comidinha e ver televisão fazendo-lhe companhia.

Para adoptá-la. contacte o nº 931769212.

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Mais gatinhos para dar!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 19, 2009

MotivationalPosterhj

 adoptados carimbo12/06/2009

Estes lindos gatinhas estão à espera de alguém que as adopte e as trate com o carinho que merecem.

Para adoptá-las deve contactar a APAC através do nº931769212.

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Gatinhos para dar!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 19, 2009

MotivationalPosterg

Para adoptá-los deve ligar para a APAC através do nº 931769212.

adoptados carimboJunho/2009

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Gatinhos para dar!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 14, 2009

MotivationalPosterk

Para adopção contactar a APAC através do nº931769212.

11/06/2009adoptados carimbo

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

Edit, a bem disposta!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 14, 2009

 

motivationalposterlA Edit adora mimos e é uma cadela que está sempre bem disposta.Émuito meiga e tem um olhar que enternece qualquer um.Tem cerca de 2 anos.

A Edit está desparasitada e vacinada contra: Raiva, Esgana, Hepatite, Leptospirose, Parvavirose e Tosse do canil.

Para adopção contactar a APAC através do nº931769212.

Posted in Animais para adoptar | Leave a Comment »

Adopte um amigo!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 14, 2009

MotivationalPoster

O Napoleão já foi adoptado em Agosto/2009 e a Estrela a 04/10/2009

 A Estrela está desparasitada e vacinada contra: Raiva, Esgana, Hepatite, Leptospirose, Parvavirose e Tosse do canil.

Para adopção contactar a APAC através do nº931769212.

adoptados carimbo

Posted in Animais adoptados | Leave a Comment »

A epidemia das carraças!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 4, 2009

ciclo20carrA infestação de carraças no cão, além de causar um incómodo muito grande ao animal pela comichão que provoca (reação alérgica), pode causar anemia como consequência da sucção do sangue nos casos de grandes infestações e transmissão de doenças infecciosas como a Babesiose e a Erlichiose.

A mesma carraça pode transmitir apenas uma ou as duas enfermidades.
A Doença tem tratamento, mas a cura depende da fase e do estado em que o animal se encontra.
A Erlichiose é transmissível ao homem (febre da carraça) mas apenas se ele for picado por uma carraça portadora e não pelo simples contacto com o cão infectado.

A doença atinge rins, fígado, baço, pulmões, medula óssea, gânglios, e, se não tratada, pode até matar.

Forma de contaminação
A transmissão entre animais faz-se pela inoculação de sangue proveniente de um cão contaminado para um cão sadio, cujo agente intermediário é a carraça. A carraça quando pica um cão doente fica infectada. Picando depois um cão sadio, transmite-lhe a doença.

No entanto, a infecção também poderá ocorrer no momento de transfusões sanguíneas, através de agulhas ou outros utensílios contaminados.
A anemia no cão pode ocorrer como resultado de grandes infestações, uma vez que a carraça se alimenta do sangue do animal. Mas não é necessário uma grande quantidade de carraças para que estas doenças sejam transmitidas. Uma ou duas carraças portadoras de formas infectantes dos protozoários causadores dessas enfermidades são o bastante para que o cão contraia uma dessas doenças.

A mesma carraça pode transmitir a Babesiose, que em algumas situações pode ocorrer juntamente com a Erliquiose.

 Incubação

O período de incubação da doença, ou seja, desde a inoculação do agente até o aparecimento dos primeiros sintomas clínicos, varia de 7 a 21 dias.

Esta enfermidade ocorrre com maior frequencia no verão, onde as condições climáticas favorecem a proliferação da carraça, embora possa ocorrer durante o ano todo.

Diagnóstico

O diagnóstico é difícil no início da infecção pois os sintomas são semelhantes a várias outras doenças. A presença da carraça e a ocorrência de outros casos da doença na região, podem ser importantes para se confirmar a suspeita clínica.

O diagnóstico pode ser feito através da visualização da bactéria em um esfregaço de sangue (exame que pode ser realizado na clínica veterinária). 

Sinais clínicos
Os sinais clínicos podem ser divididos em três fases:

  • Aguda (início da infecção),
  • Subclínica (geralmente assintomática)
  • Crônica (nas infecções persistentes).

 

A fase aguda da doença é caracterizada por:

  • Febre (39,5 – 41,5ºC).
  • Perda de apetite e de peso.
  • Fraqueza muscular.

Menos frequentemente observa-se:

  • Secreção nasal.
  • Perda total do apetite.
  • Depressão.
  • Sangramentos pela pele, nariz e urina.
  • Vómitos.
  • Dificuldade respiratória.

(Este estágio pode perdurar até 4 semanas e não ser percebido pelo dono)

 A fase subclínica é geralmente assintomática, podendo ocorrer algumas complicações tais como:

  • Depressão.
  • Hemorragias.
  • Edema de membros.
  • Perda de apetite.
  • Palidez de mucosas.

 Se o sistema imune do animal não for capaz de eliminar a bactéria, poderá desenvolver-se a fase crónica da doença. Nesta fase, a doença assume as características de uma doença auto-imune em que o animal apresenta os mesmos sinais da fase aguda, porém atenuados, e com a presença de infecções secundárias tais como:

  • Pneumonia.
  • Diarreia.
  • Problemas de pele.

O animal pode também apresentar:

  • Sangramentos crónicos devido ao baixo número de plaquetas (células responsáveis pela coagulação do sangue).
  • Cansaço.
  • Apatia motivada pela anemia.

 Tratamento
O principal objectivo do tratamento consiste em curar os animais doentes, mas também prevenir a proliferação da doença pelos portadores assintomáticos (fase sub-clínica e crónica). O antibiótico conhecido como DOXICICLINA é considerado o principal medicamento no tratamento da Erliquiose em todas as suas fases.

Duração do tratamento
Os critérios para o tratamento variam de acordo com a precocidade do diagnóstico, da severidade dos sintomas clínicos e da fase da doença que o paciente se encontra quando do início do tratamento. O tratamento na fase aguda pode durar até 21 dias e na fase crônica até 8 semanas.

Prognóstico
O prognóstico depende da fase em que a doença for diagnosticada e do início da terapia. Quanto mais cedo se diagnostica e se inicia o tratamento, melhores são as chances de cura. Em cães nas fases iniciais da doença, observa-se melhora do quadro clínico após 24 a 48 horas do início do tratamento.

Prevenção
Infelizmente, não há nenhum esquema de tratamento preventivo como a vacina. A prevenção da doença é muito importante nos locais de grande concentração de animais. Por isso, se o cão frequenta áreas infestadas por carraças como jardins ou outros locais com vegetação, ele certamente irá pegá-las.

Mas retirar a carraça do cão não basta. O principal inimigo, que passa despercebido, ou seja, os ovos e larvas, estão no ambiente e nele sobrevivem durante muitos meses. Por isso é difícil ou impossível exterminar a carraça em locais públicos, pelo facto de elas depositarem os seus ovos na vegetação e também nas frestas das paredes, muros e mesmo no chão.

Por outro lado, a carraça, em todos os seus estágios de vida (desde larva até adulta), é muito resistente, o que dificulta o seu combate.

Assim, há cuidados a ter se as férias com o seu cão forem na quinta, no meio do mato, ou em locais onde haja vacas, cavalos e outros cães. Nestas alturas convém usar uma dose extra de um produto anti-parasitário para evitar as pulgas e as carraças. Além disso, deve ser feita uma inspeção diária cuidadosa na pelagem que pode ajudar a detectar a presença de carraças.

 Anti-parasitários

Apesar das dificuldades de combater a carraça, determinados produtos anti-parasitários não deixam de ser bastante eficazes. Uns devem ser aplicados no ambiente doméstico onde o cão vive habitualmente (casa, jardim particular, etc.); outros devem ser aplicados no corpo do próprio animal.

Há coleiras anti-parasitárias como a Scalibor que, não sendo 100% eficazes, repelem com elevado grau de eficiência não só as carraças como as pulgas e mosquitos. Outros insecticidas, como o Ectokill ou o Frontline, podem ser usados simultâneamente. Contudo, estes produtos devem ser sempre administrados sob a responsabilidade do clinico veterinário, pois alguns podem provocar alergias graves ao cão.

A indicação das marcas destes produtos não envolve qualquer preferência e serve apenas para exemplificar o tipo.

Babesiose

A Babesiose é uma doença bem mais agressiva que a Erlichiose e por isso dedicamos-lhe um capítulo especial.

Trata-se de uma hemorragia generalizada causada pela destruição maciça dos glóbulos vermelhos (anemia hemolítica). A doença manifesta-se cerca de 12 dias após a infestação e, antes disso, é difícil de ser diagnosticado

 A Babesiose pode matar de 24 a 48 horas após o início do sangramento. Quando infectado, o animal fica prostrado e muitas vezes necessita de transfusão de sangue. Normalmente, o animal que contrai a Babesiose fica também infectado com a Erlichiose.

A Babesiose não se transmite ao homem.

Posted in Informações Úteis | Leave a Comment »

Pulgas e mais pulgas…

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 4, 2009

a1edcf4bbaaeaf2cbeacebef048d96c2Tipos de pulgas

Existe um elevado número de espécies de pulgas, cerca de 2000 em todo o mundo. As que nos interessam particularmente aqui para a nossa análise são três:

 Pulex irritans, a pulga doméstica que parasita preferencialmente o homem.

Xenopsylla cheopis, a pulga que parasita o rato dos esgotos (ratazana) e é capaz de transmitir ao homem a terrível doença conhecida por Peste Bubônica.

Ctenocephalides canis e Ctenocephalides felix, classificadas assim por parasitarem preferencialmente, respectivamente, cães e gatos.

 Infestação

A pulga doméstica (Pulex irritans) encontra-se apenas em meios muito degradados onde não existem condições mínimas de higiene básica.

A pulga que parasita os cães e gatos é a mais vulgar, dada a convivência muito íntima do homem com estes animais de estimação.

O cão infesta-se de pulgas facilmente pela simples circunstância de o levarmos à rua para passear ou para ele fazer as suas necessidades. Como as pulgas são capazes de pular até 30 cm, não havendo portanto necessidade de contacto íntimo, o cão ou o gato podem adquiri-las passeando na rua ou no jardim onde habitualmente andem outros animais.

Assim, independentemente da classe social e das condições de higiene, as pulgas que parasitam cães e gatos entram muito facilmente em nossas casas, trazidas pelos nossos amigos.  

 Malefícios da picada

A picada da pulga normalmente causa uma comichão incomodativa. Mas este é um mal menor. No acto de sugar o sangue, a pulga injecta a sua própria saliva, que tem propriedades anticoagulantes, para melhor sugar o sangue. É esta substância da saliva o agente que provoca a irritação. Animais mais sensíveis e alérgicos à saliva da pulga podem desenvolver eczemas e outras doenças cutâneas como a dermatite pruriginosa.

Se o número de pulgas no animal parasitado for muito elevado, pode verificar-se anemia pela quantidade de sangue sugado, não só porque o parasita se alimenta cerca de vinte vezes por dia, como também pela capacidade do seu estômago, que pode encher-se de aproximadamente 0,5 mm3 de sangue.

Outro inconveniente da picada consiste no desassossego do animal, cujo estado emocional permanece em constante stress devido à coceira incessante.

Numa situação limite, o cão passa a comer menos e torna-se deprimido ou agressivo, dependendo da sua personalidade.

Muitas vezes é isolado pelo dono do convívio familiar por causa das condições de sua pele, que pode apresentar descamação e infecções produtoras de odores desagradáveis.

Transmissão da ténia

A pulga que parasita os animais domésticos constitui um vector de transmissão de certos parasitas intestinais como o Dipylidium caninum, uma ténia semelhante à vulgarmente designada bicha solitária do homem, mas que parasita exclusivamente os cães, gatos e outros carnívoros.

As pulgas na fase larval, quando se nutrem de fezes de cães parasitados, vão ingerir os ovos da ténia existentes nessas fezes, ficando por sua vez parasitadas pelo Dipylidium. Já na fase de pulga adulta e tendo por hospedeiro um cão, este no acto de catar as pulgas com os dentes, frequentemente ingerem-nas. Neste processo o cão viu-se livre de uma pulga mas ganhou uma ténia, já que os ovos deste parasita se irão transformar em vermes no intestino do novo hospedeiro, o cão, e passar a viver aí uma nova existência parasitária, atingindo então o seu completo desenvolvimento.

O efeito desta ténia manifesta-se por:

  • Emagrecimento.

  • Diarreia.

  • Perda de pêlos em determinadas zonas do corpo.

  • Comichão na zona anal, que leva o animal a arrastar-se esfregando o ânus no chão. Por vezes são visíveis pequenos reservatórios de ovos do verme à volta do ânus ou nas fezes, semelhantes a grãos de arroz.

  • Possibilidade de morte do animal, se não se proceder a um tratamento capaz.

 Crianças e adultos podem contaminar-se ingerindo os ovos deste parasita. É muito frequente as crianças, nas suas brincadeiras, tocarem com as mãos no chão e levarem-nas à boca. Os adultos também têm o costume de catar as pulgas do cão e esmagá-las com as unhas dos polegares. Se as mãos não forem lavadas imediatamente, os ovos do dipylidium caninum podem facilmente ser ingeridos.

Este parasita, contudo, quando ingerido pelas pessoas, não se vai fixar no intestino, mas noutras partes do corpo como o sistema nervoso, olhos, etc., formando quistos.

 Profilaxia

Como a maior parte do ciclo de vida da pulga ocorre fora do seu hospedeiro, o cão, é necessário cuidar não só da sua higiene como também das instalações e ambiente onde ele vive. Por isso, o combate às pulgas deve ser feito de forma integrada. Não basta eliminar as pulgas que se encontram no animal. Tão ou mais urgente é exterminá-las também no ambiente em todas as suas formas evolutivas.

Os locais que os animais frequentam devem ser cuidadosamente limpos. As carpetes, tapetes, sofás, almofadas devem ser aspirados e os tecidos como mantas e outros onde habitualmente dormem devem ser lavados com água bem quente.

O insecto na forma de pupa é muito resistente, mesmo aos insecticidas. As larvas também são difíceis de atingir porque se enfiam nas fibras das carpetes descendo para a base destas para fugirem da luz e procurarem mais protecção. Também migram para locais escondidos debaixo de móveis e nas frinchas da madeira. A forma mais eficiente de combater o parasita nestas suas formas evolutivas consiste em usar um aspirador forte e proceder à limpeza dessas zonas com alguma frequência. A eliminação de pulgas no ambiente domiciliar pode demorar de 3 a 6 semanas.

  1.  

 

Produtos para aplicação directa no animal

Há no mercado uma enorme variedade de produtos ectoparasiticidas, que se apresentam sob diversas formas: champôs, sprays, pós, gotas, comprimidos e coleiras antiparasitárias.

Estes produtos distinguem-se não só pela forma de apresentação mas também pelo modo como actuam.

Há produtos que agem regulando o crescimento das pulgas, eliminando seus ovos, e os chamados adulticidas, que matam a pulga adulta.

Há também produtos em gotas, que são aplicados na pele do animal. Geralmente aplica-se uma única dose no cachaço, para evitar que ele lamba o produto e se intoxique. Estes produtos são absorvidos pelo organismo e entram na corrente circulatória aí permanecendo. Quando a pulga suga o sangue do animal, ingerirá essa substância e assim o seu ciclo evolutivo não terá continuidade.

Outros produtos agem sobre o sistema nervoso do insecto e a maioria das pulgas morrem no espaço de vinte e quatro horas, antes que tenham a chance de deixar ovos (Advantage, p.ex.).

Outros ainda, apresentados em forma de spray, actuam através da gordura da pele do animal (Ectokill e Frontline, p.ex.). As pulgas morrem no espaço de vinte e quatro horas e o produto mantém-se activo por um período de três meses. O produto mantém-se activo mesmo dando banho ao animal. Mas nunca deve ser aplicado no mesmo dia do banho, mas sim vinte e quatro horas antes ou depois, para se garantir que o nível de gordura da pele seja satisfatório.

Há ainda inibidores de crescimento (Program, p.ex.), que actuam de forma a impedir que a larva da pulga saia do ovo. O produto é apresentado sob a forma de comprimidos e administrado ao animal uma vez por mês. A substância será libertada lentamente nos tecidos, mantendo-se activa durante algumas semanas após a sua administração. A pulga fêmea ingere o produto enquanto se alimenta do sangue do animal e então a droga incorpora-se nos ovos, neutralizando-os. Estes produtos não matam a pulga adulta, mas evitam que ela procrie.

As coleiras antiparasitárias também são muito eficientes e têm a vantagem de proteger o animal das pulgas, carraças e mosquitos durante cerca de quatro meses (Scalibor, p.ex.).

Existem muitas outras formulações inseticidas para os animais domésticos.

Os champôs agem removendo mecanicamente as pulgas mas como são enxaguados têm uma acção residual muito diminuta. São úteis, no entanto, para eliminar as que existem no corpo do animal aquando do banho. Contudo, o champô nem sempre extermina todas as pulgas. Há produtos em forma de spray (alguns contêm álcool), que matam as pulgas adultas rapidamente, podendo complementar assim a acção do champô e aplicando-se logo a seguir ao banho quando o pêlo do cão já estiver seco. Estes produtos não têm um efeito residual (Pedigree-loção insecticida, p.ex.).

Muito importante:

  • Em muitos casos pode recorrer-se à combinação de mais do que um produto, mas a sua escolha deve ser sempre aconselhada pelo veterinário.

  • Não opte por determinados produtos por simples conselho de um vizinho ou de amigo.

  • Com o tempo e sucessivas utilizações, as pulgas criam resistências a alguns produtos. Assim, um determinado insecticida pode ser eficiente num local e ineficaz noutro.

 

Resumindo:

Desinfecção da casa:

  1. Aspirar muito bem todos os compartimentos, especialmente os que são revestidos de tapetes e de carpetes. A aspiração consegue eliminar metade dos ovos existentes.
  2. Limpar muito bem todos os espaços a que os animais têm acesso.
  3. Usar produtos encontrados no mercado em forma de spray ou em pó para eliminar as pulgas adultas e também contra o desenvolvimento dos ovos, larvas e pupas. Muitos destes produtos são altamente tóxicos. Evitar que o cão aceda ao local da desinfecção durante as próximas horas.
  4. Lavar bem, a quente, tudo o que é usado habitualmente pelo cão e que seja susceptível de reter os ovos e as larvas, como camas, mantas, etc.
  5. Lavar também toda a roupa de cama da família.

 

Desinfecção do animal:

  1. Dar um banho com um champô insecticida (Pedigree, p.ex.). Por princípio as pulgas existentes no animal morrem e são removidas pela água do banho.
  2. Se necessário e em complemento do champô insecticida, aplicar um spray anti-pulgas de efeito rápido em todo o corpo do animal logo que o pêlo esteja seco (Pedigre loção insecticida spray, p.ex.).
  3. 48 horas após o banho aplicar um anti-pulgas de efeito prolongado (Frontline ou Ectokill, p.ex.).

4. Proceder à desparasitação interna através de um vermífugo correcto para eliminar o DIPYLIDIUM caninum (ténia).

5.  Todos os produtos aqui indicados servem de mera indicação, devendo ser obrigatoriamente aconselhados pelo veterinário.

 Prevenção

Se depois de desinfectar a casa e o cão, conforme descrito atrás, e ele continuar com pulgas sem ter tido contacto com o exterior, é sinal de que a casa ainda não está completamente livre das pulgas. As pulgas no estágio de pupa são muito resistentes aos insecticidas, mesmo aos mais agressivos.

Assim:

1.  Evitar o uso de carpetes e tapetes em casa. Preferir pisos de cerâmica ou de tacos de madeira. A manter os tapetes, proceder à sua aspiração semanal com um aspirador potente. O ideal será lavá-los. 

2.  Escovar o cão pelo menos uma vez por semana e dar banhos frequentes com um champô próprio para cães (uma vez por mês, p.ex.).

3.  Aplicar os produtos de uso tópico de longa duração conforme prescrição.

  1. Lavar com frequência os objetos pessoais do cão: cobertor, cama etc.

 É muito importante ter em atenção que todos os produtos usados nas desparasitações dos animais são capazes de causar intoxicações, caso não sejam utilizados de acordo com as recomendações do fabricante.

http://whippetp.no.sapo.pt/pulgas.htm

 

Posted in Informações Úteis | 1 Comment »

Vacinação dos cães!

Posted by apacanimaiscadaval em Maio 4, 2009

Indicação do esquema de vacinação

(Deve ser preconizado pelo veterinário assistente)

Idade

Doença

6 semanas

Parvovirose

8 semanas

Parvovirose, Esgana, Hepatite vírica e Leptospirose

12 semanas (é um reforço da anterior)

Parvovirose, Esgana, Hepatite vírica e Leptospirose

16 semanas

Raiva

Reforço das vacinas anualmente

 

Posted in Informações Úteis | Leave a Comment »

 
%d bloggers like this: