Associação Protectora de Animais do Cadaval

Archive for the ‘Crueldades e Denúncias’ Category

Alguns canis/gatis…lugares de horrores pagos com os nossos impostos!

Posted by apacanimaiscadaval em Outubro 13, 2011

Testemunho de uma visitante do  Canil Municipal de Lisboa

“Para lá chegar há que atravessar um corredor aparentemente infindável de cães acorrentados pelo pescoço.
Imóveis e assustados, aguardam que alguém os salve e os leve dali para fora, mas lamentavelmente, há quem prefira adquirir ou procriar um animal a dar uma segunda oportunidade a estas dóceis criaturas.

Findo o corredor envidraçado, e à distância de duas portas de metal, encontra-se o gatil; uma grande sala sem luz natural, repleta de boxes, e com o som inconfundível de muitos miares e alguns ladrares de cães bébés.
O cheiro é nauseabundo, devendo-se às fezes e urina que cobrem o chão. As boxes, com fundo de arame, aleijam as patas e estão na sua totalidade desprovidas de caixas de areia, por vezes comida, e muitas vezes de água limpa, estando os recipientes sujos com algo que aparenta ser uma mistura de urina e diarreia.
Devido ao fundo desconfortável e sujo, as escoriações nas patas são comuns, e por lá deixados, as hipóteses de sobrevivência, quer por eventual abate ou doença, são quase nulas.

Integrado no departamento de Limpeza Urbana – e ironicamente, muito longe de ser higiénico – os responsáveis pelo manuseamento e interacção com os animais não são assistentes de veterinária, mas sim homens do lixo.
Os veterinários aparentam desconhecer os animais, e se juntarmos o estado debilitado em que se encontram (por vezes pior do que na rua), então é fácil depreender que a assistência veterinária encontra-se reservada somente para o momento da adopção, quando se tornam pertença de alguém.
No meio de tantos animais, encontram-se vários bébés, alguns visivelmente doentes, outros aparentemente saudáveis. Uns com as mães, outros sozinhos, alguns nascidos no local – sobre a terrível base de arame – mas todos deixados à sua sorte.
Numa deslocação vi, juntamente com mais duas pessoas, uma mãe com os recém-nascidos, alguns ainda vivos, outros esmagados contra a rede de metal, o sangue deles a escorrer para o chão já de si imundo.
É uma imagem demasiado crua e cruel para transpor para palavras.

Este é o retrato do gatil municipal de Lisboa, por detrás de portas, a anos de luz dos olhares dos media que teimam em perseguir os candidatos à presidência.
É uma realidade de terceiro mundo, de cenário de guerra, financiada pelos nossos impostos e a qual, a maioria de nós, teima em virar a cara quer por indiferença quer por receio daquilo com que poderá ser confrontado.
Somente cerca de 8% dos animais que lá chegam têm a sorte de ser adoptados, pelo que, para além da esterilização massiva e não procriação de animais, é urgente sairmos da nossa zona de conforto e oferecermos uma segunda oportunidade de vida aos que por lá se encontram.
Lamentavelmente, este retrato não será certamente único neste país, mas por de lá haver resgatado alguns animais, é aquele que conheço intimamente.”Iolanda Mealha

“Aconselho vivamente a que quem desconhece o Canil/Gatil Municipal lá entre, pois só assim, poderá visualizar algumas das hediondas imagens que aqui descreveste… e ver se consegue continuar a dormir de consciência tranquila, depois de ali ter entrado uma única vez que seja (no meu caso, desde que lá entrei a primeira vez, não mais cosegui ter descanso).” Alexa

Fonte – http://afaunaurbana.blogspot.com/

 

 

Anúncios

Posted in Crueldades e Denúncias | 7 Comments »

Em França – Cães e gatos usados como isco para caçar tubarões!

Posted by apacanimaiscadaval em Outubro 2, 2011

Cães  e gatos estão sendo usados como isca para tubarões por pescadores  amadores na ilha francesa de Réunion, revelaram organizações de defesa  dos direitos dos animais e autoridades locais. A pequena ilha vulcânica  localizada ao largo da costa oriental de África está repleta de cães  abandonados, mais de 150.000. Um veterinário conseguiu tratar com  sucesso um dos cães, o cão de seis meses de idade com um anzol no  focinho, o cão era o animal de estimação de alguém. Ele tinha,  aparentemente, escapado e foi levado à SPA por um cidadão preocupado. O  animal já está de regresso a casa e à companhia dos donos. São  encontrado cães com anzóis na ilha, e gatos encontrados nas praias e  parcialmente devorados por tubarões.”
Os  pescadores capturam os animais, colocam anzóis, um dia antes para que  sangrem bastante. Alguns escapam antes de serem atirados ao mar, outros  não têm essa sorte. Com os anzóis colocados nas patas e/ou focinhos, os  animais são atados a tubos infláveis com linha de pesca e largados no  mar. Para evitar ser vistos, os pescadores colocam a isca (os cãezinhos)  no meio da noite e regressam de manhã para verificar se capturaram  algum tubarão.

Posted in Crueldades e Denúncias | Leave a Comment »

Até onde chega a crueldade???

Posted by apacanimaiscadaval em Junho 16, 2011

 Cão depois de baleado foi enterrado vivo.

Em Malta um collie foi encontrado pela equipa de resgate numa situação que indignou o mundo.

Numa cova raso encntrava-se este cão baleado e ainda vivo gemendo com as poucas forças que lhe sobraram. Tinha o focinho atado com um arame, as pernas amarradas com atacadores de sapatos e tinha sido baleado 40 vezes na cabeça com uma espingarda de chumbo e assim foi deixado para morrer.

Com cinco anos de idade, foi levado às pressas para o próxima clínica veterinária, onde fizeram uma cirurgia de emergência.

Este corajoso cão conseguiu sobreviver e tocou o mundo. A polícia está agora a caça a pessoa responsável pelo seu sofrimento doentio.

Para ver o video clique no link
sky.com/skynews/Home/World-News/Video-Dog-Star-Survives-Being-Bound-Shot-In-Head-40-Times-And-Buried-Alive-In-Malta/Article/201106116003373?lpos=World_News_Second_Home_Page_Feature_Teaser_Region_0

Posted in Crueldades e Denúncias | 1 Comment »

Maus tratos a animais…quando é que isto acaba!

Posted by apacanimaiscadaval em Novembro 19, 2010

RETIRADO DE UM SITE BRASILEIRO

Maus Tratos:

“Estamos ainda chocados e tristes com a cena que presenciamos no domingo passado, dia 15 de abril: a de um cavalo agonizando no Bairro Petrópolis, Rua Setembrino M. Correa “

 Veja o Vídeo em http://www.youtube.com/watch?v=rMg3gnNo0dY

“O cavalo foi abandonado no sábado pelo dono, depois de cair e não ter mais forças para levantar. Segundo moradores, no domingo pela manhã, o dono voltou ao local onde havia abandonado o animal e ainda o espancou na tentativa de matá-lo e tirá-lo dali. A agonia só terminou quando a Dra.Daniela Turra, no final da tarde de domingo, voluntariamente atendeu a um chamado da prefeitura e fez a eutanásia (morte sem sofrimento e sem dor) no pobre animal. Ele ainda olhou para todos no local, talvez feliz por finalmente deixar esta vida cheia de sofrimentos.

Além da agonia do cavalo, nos chocou e entristeceu também o comportamento de algumas crianças que vieram falar conosco. Diziam que era mais fácil dar uma paulada na cabeça para matar o bicho.

 Estas crianças estão aprendendo com os pais e com a própria sociedade a não valorizarem a vida, a não respeitarem os seres vivos. Este descaso e desamor um dia se voltarão contra nós mesmos. Sabe-se que muitos assassinos começam seus atos de crueldade com animais e mais tarde passam a descarregar sua raiva nas pessoas. Mas os mais fracos, que não conseguem se defender, são os que mais sofrem.

 Sabemos que os cavalos são importantes para manter o sustento de várias famílias. Mas não é inteligente usá-los até que se acabem, como se fossem máquinas. Eles são de carne e osso como nós, sentem dores, sofrem, precisam de alimentos, água e descanso! O conceito de maltratar um animal vai muito além dos açoites desnecessários que eles recebem todos os dias. Maus tratos e abandono são crimes, está previsto por lei – Lei n° 9.605/98 Artigo 32, disponível no nosso site para consulta.

Os moradores do Bairro que sabem o nome do proprietário deste cavalo, têm o direito e o dever de denunciá-lo. Têm a obrigação de dar o exemplo aos seus filhos do que é correto e digno.

 Denuncie os maus-tratos aos animais, isto vale para todos, cães, gatos, cavalos, pássaros, etc. Os inocentes agradecem.”

http://www.ondaa.org/finais/cavalo.htm

Posted in Crueldades e Denúncias | Leave a Comment »

O “artista” que matou um cão à fome vai repetir o acto!

Posted by apacanimaiscadaval em Março 22, 2009

image0054image0021O ‘Artista’ que matou um cão à fome vai repetir o acto – Ou NÃO! Depende de nós. Vê como.
Como muitos devem saber e até ter protestado, em 2007,Guillermo Vargas Habacuc, um suposto
artista, colheu um cão abandonado de rua, atou-o a uma corda curtíssima na parede de uma galeria de arte e ali o deixou, a morrer lentamente de fome e sede.

Durante vários dias, tanto o autor de semelhante
crueldade, como os visitantes da galeria de arte presenciaram impassíveis à
agonia do pobre animal.

Até que finalmente morreu de inanição,
seguramente depois de ter passado por um doloroso, absurdo e incompreensível
calvário.

image0063

Parece-te forte?

Pois isso não é tudo: a prestigiosa Bienal Centroamericana de Arte
decidiu, incompreensivelmente, que a selvajaria que acabava de ser cometida por
tal sujeito era arte, e deste modo tão incompreensível Guillermo Vargas Habacuc
foi convidado a repetir a sua cruel acção na dita Bienal em
2009.
Facto que podemos tentar impedir, colaborando com a
assinatura nesta petição:

http://www.petitiononline.com/13031953/petition.html
(não tem que se pagar, nem registar) para enviar a petição, de
modo que este homem não seja felicitado nem chamado de ‘artista’ por tão cruel
acto, por semelhante insensibilidade e desfrute com a dor
alheia.

A inércia das pessoas que viram esta agoniante cena é tão grave como o que a criou.

Posted in Crueldades e Denúncias | 11 Comments »

A matança de golfinhos na Dinamarca!

Posted by apacanimaiscadaval em Março 7, 2009

att00000

Dinamarca: Que vergonha esta triste cena.
Por incrível que pareça, este espectáculo mantém-se em Dantesque, Ilhas Faroe (Dinamarca). Um país supostamente civilizado e, ainda por cima, membro da União Europeia.

att00006

Para muita gente, este ataque à vida passa despercebido, como um costume para “mostrar” a passagem à idade adulta. É de uma atrocidade absoluta.

att00001

Ninguém mexe uma palha para acabar com esta barbaridade contra os”Calderon”, um golfinho inteligente e tranquilo que se aproxima dos homens demonstrando amizade.
Faz com que esta atrocidade seja conhecida e que, como é desejável, acabe de vez.

Posted in Crueldades e Denúncias | 294 Comments »

Contra o abandono de animais…

Posted by apacanimaiscadaval em Janeiro 3, 2009

Posted in Crueldades e Denúncias | 2 Comments »

Testes em animais…alternativas!

Posted by apacanimaiscadaval em Janeiro 3, 2009

untitledhgy

Os testes em animais são hoje em dia utilizados nas mais diversas áreas científicas, em investigação, testes de produtos comerciais, educação e testes militares.

Em educação, por exemplo, e só nos Estados Unidos, milhões de rãs, ratos, gatos, cães, peixes e minhocas são usados nas escolas secundárias todos os anos. Os animais vêm de todos os lados e provou-se que muitos cães e gatos provinham de anúncios no jornal, do tipo “Procuro novo dono” [http://www.peta-online.org/1099/dis.html].

É muito difícil estimar o número de animais usados em testes de produtos comerciais, já que as empresas não são obrigadas a divulgar quaisquer números. No entanto, estima-se que mais de um milhão de animais morrem em testes de produtos em todo o mundo, todos os anos. O tipo de testes realizados são variadíssimos, indo desde o estudo dos efeitos dos produtos na pele e olhos, até testes de toxicologia.

Para testar a irritabilidade de um produto sobre a pele, costumam-se usar coelhos albinos. Estes vêem o seu dorso rapado e raspado (para o tornar mais sensível). Em seguida o produto a testar é colocado na pele nua e permanece aí quatro horas. É comum a pele ficar em carne viva. Raramente são usados analgésicos.

alt1

Para verificar o efeito de um produto nos olhos, usa-se o tristemente célebre teste de Draize. Coloca-se o produto nos olhos de coelhos albinos durante três dias (ou 21 dias, se for um teste de longa duração). No final verificam-se os efeitos. Aqui também não se usam analgésicos e os animais têm que ser fortemente imobilizados. É comum partirem o pescoço ou a coluna a tentarem fugir .

[http://www.animalliberation.org.au/skineye.html].alt2

Para testes de toxicologia, o mais comum é usar-se o teste LD50, ou Lethal Test 50%, em que se determina a quantidade de produto ingerida necessária para matar metade dos animais no teste. É comum os animais sofrerem convulsões, paralisia, ferimentos internos, diarreia, vómitos e dificuldades respiratórias [http://www.animalliberation.org.au/toxtest.html]. Este teste foi apelidado por Gerhard Zbinden, um dos mais famosos toxicologistas a nível mundial, como um “ritual de execução em massa”.

Estes testes, obviamente dolorosos e traumáticos, são totalmente legais (repare-se que, fora dos laboratórios, infligir este tipo de sofrimento em animais é punido com multas ou mesmo prisão) e muitas vezes exigidos pela própria lei. Esta prevê no entanto que qualquer teste tem que respeitar a Declaração Universal dos Direitos do Animal, proclamada na UNESCO em 1978 [http://www.terravista.pt/fernoronha/1633/animais/Direitos.htm]. São contudo inúmeras as situações em que esta não é respeitada. Veja-se, por exemplo, o caso de crash tests realizados com babuínos, na Universidade da Pennsylvania, em que, no tribunal (a Universidade foi processada) foram apresentados vídeos que mostravam investigadores a amarrarem um babuíno ferido à mesa de operações e a irem almoçar, e a fotografia de um jovem macaco com a palavra crap (em bom português, monte de merda) tatuada na cabeça.

É óbvio que foram feitas muitas descobertas à custa de animais. Não se pode querer a abolição incondicional deste tipo de testes e, simultaneamente, maior segurança nos produtos que são lançados. Ninguém pode também questionar que uma vida humana vale mais que uma vida animal. O que é preciso é encontrar alternativas válidas às experiências em animais, já que estas deixam bastante a desejar. Isto devido às enormes diferenças anatómicas, fisiológicas e metabólicas entre os animais testados e o homem, que tornam a extrapolação para os humanos pouco fiável. Uma investigação publicada no Journal of the American Medical Association, em 1998, estima que a medicamentação administrada em hospitais pode ser responsável por 106 mil mortes, o que a tornaria na quarta principal causa de morte nos Estados Unidos… De facto, mais de metade da medicamentação aprovada pelo FDA (Food and Drug Administration) entre 1976 e 1985 (aprovada com base em testes em animais) teve que ser retirada do mercado ou mudar de nome, depois de ter causado graves efeitos secundários e centenas de mortes (o phenacitin, Eferol, Oraflex e o Suprol são dos exemplos mais graves) [http://peta-online.org]. O mais curioso é que a flagrante falta de eficácia deste tipo de testes é por demais conhecida e serve até como “desculpa” para os produtos que chumbam nos testes chegarem ao mercado. Em 1974, um fabricante de cosméticos foi levado a tribunal por uma mulher que ficou com lesões na córnea devido a um champô. O produto tinha sido aprovado, embora tivesse causado irritação em coelhos, nos testes de Draize. [http://www.animalliberation.org.au/skineye.html]

Então porque é que os testes em animais continuam a ser a forma mais banalizada de testar produtos? O Dr. Björn Ekwall, director do projecto MEIC (Multicenter Evaluation of In-Vitro Cytotoxicity, projecto levado a cabo para encontrar formas alternativas de testar produtos), acha que “a resposta óbvia parece ser que nunca ninguém se tinha lembrado de algo melhor, mas provavelmente é mais realista afirmar que, até há bem pouco tempo, nunca ninguém se tinha preocupado com o assunto”. Também é preciso não esquecer que a experimentação em animais é uma indústria de milhões. Os animais utilizados, manipulados geneticamente, estão longe de serem baratos. Um gato custa cerca de 75 contos, enquanto que os cães se vendem por 90 contos. [www.animalaid.org.uk/campaign/vivi/betrayed.htm]

Que alternativas existem então? Inúmeras:

Actualização da legislação. Actualmente, muitos dos testes em animais necessários para aprovação de um produto têm que ser realizados em todos os países em que este irá ser comercializado. Uma uniformização dos protocolos permitiria salvar centenas de animais. São também por vezes requeridos testes completamente irracionais. Em certos países até um simples batom tem que ser submetido a um teste LD50. Ficamos então a saber que, se comermos 1,75 kg (cerca de 90 embalagens!) desse cosmético, corremos sério risco de vida…

Técnicas in-vitro. Consiste na utilização de culturas de células, partes de tecidos e órgãos, ou mesmo órgãos inteiros, para realizar os testes. Podem também ser feitos com células humanas, atingindo um grau de confiança impossível com os testes tradicionais. Para testar a irritabilidade de um produto na pele, por exemplo, é usada pele humana produzida em laboratório. Os efeitos do produto podem ser medidos com precisão pela quantidade de enzimas expelida. Este tipo de testes pode também ser implantado com sucesso em toxicologia, já que a maior parte dos efeitos tóxicos provocados por agentes externos ao organismo registam-se ao nível celular.

Em 1996 foram divulgados os resultados do projecto MEIC, em que 59 laboratórios de todo o mundo testaram 50 produtos, usando 60 métodos in-vitro. Os 18 melhores métodos concordaram em 71% com os efeitos já conhecidos em humanos (dados provenientes de suicídios e acidentes). Estes resultados foram significativamente melhores que os conseguidos com testes em animais. Prevê-se que em 2003 esta concordância atinja os 90%.

Testes com organismos inferiores. Usando culturas de bactérias, bolores, fungos, insectos e moluscos é também possível prever os resultados de certos produtos nos humanos. A hidra, por exemplo, é um pequeno animal que, ao ser cortado em pedaços, cria novas hidras. O efeito do produto a estudar nesta reprodução pode ajudar a prever se este irá criar deficiências de crescimento em fetos humanos.

Simulações computacionais. Actualmente temos à nossa disposição uma grande capacidade computacional que pode ser usada para simular com rigor processos fisiológicos e metabólicos nos humanos. Um exemplo é o uso de computadores para prever os efeitos cancerígenos de produtos, já que se conhecem actualmente várias das estruturas moleculares que provocam o cancro nos humanos. À medida que essa base de dados vai aumentando, mais confiança podemos ter nos resultados da simulação.

O uso de vídeos e programas interactivos na educação é também um método amplamente utilizado em países como a Grã-Bretanha, Suécia, Argentina, Holanda e Noruega, que proíbem a vivissecção com fins educativos. Por cá ainda se acha que dissecar uma rã malcheirosa é altamente educativo.

O homem. De todos, este é sem dúvida o melhor método. É evidente que não podemos fazer testes de Daizer e LD50 em humanos (se calhar até se arranjavam voluntários, a julgar pelo exemplo de um laboratório na Grã-Bretanha, que realizou testes a insecticidas com humanos, aos quais pagava cerca de 150 contos… [http://www.apdconsumo.pt/cobaias_humanas.html]), mas existem alguns produtos que podem ser testados em humanos. A BodyShop [www.bodyshop.com], por exemplo, testa os seus cosméticos em voluntários humanos, que usam pensos com o produto a testar durante 4 horas, altura em que os efeitos são estudados.

Métodos não-invasivos, como a EEG (electroencefalografia), a MEG (magnetoencefalografia) e a PET (tomografia de emissão de positrões), podem ser usados para estudar os efeitos de enfartes, doenças de Alzheimer e Parkinson, sem efeitos secundários.

Estudos e inquéritos, assim como resultados de acidentes e suicídios, podem fornecer informação preciosa sobre os efeitos de produtos nocivos. Em 1985, levantou-se uma onda de protesto em torno de um grupo de cientistas que usou dados de experiências nazis sobre hipotermia, feitas com judeus (colocados em tanques de água gelada durante horas) [OMNI, 1985]. É verdade que os resultados foram obtidos de uma forma não ética e completamente desumana. Mas não seria ainda menos ético ignorar os resultados e repeti-los em animais?

E o que é que nós, “população civil anónima”, podemos fazer? Muito. As empresas aprenderam já há muito tempo que não devem ir contra a opinião pública, sob pena de verem os seus produtos boicotados. A Procter & Gamble, fabricante de Old Spice, Tide e Pringles, entre muitos outros produtos, tradicional defensora da experimentação animal, anunciou recentemente (Junho deste ano) a cessação de alguns dos testes animais não exigidos por lei, depois de ter sido enormemente pressionada pela PETA (People for the Ethical Treatment of Animals). Um dos métodos de “persuasão” mais curiosos usados por esta organização foi a participação nas corridas de NASCAR de um carro com o logotipo DIED, num claro protesto ao patrocinador do piloto Ricky Rudd [http://www.pginfo.net/died.html].

Noutro protesto da PETA, Al Gore (que foi durante meses perseguido por um homem disfarçado de coelho…) e a administração Clinton concordaram em alterar o programa HPV (High Production Volume, destinado a testar 2800 químicos industriais), de maneira a salvar 800 000 animais [http://www.peta-online.org/pn/1099hpvvict.html].

Faz alguma coisa também, participando nas acções de organizações protectoras dos direitos dos animais (ver caixa Na Net), participando num referendo (http://peta-online.org/j/ref21.html), ou contribuindo com umas massas (http://peta-online.org/js/indexs.html).

http://www.ajc.pt/cienciaj/n12/alternativa.php3

Posted in Crueldades e Denúncias | 3 Comments »

Crueldades…

Posted by apacanimaiscadaval em Dezembro 29, 2008

violencia

Em Aveiro, um indivíduo esmagou as 4 patas a um pequeno cão pertencente a pessoas muito pobres, e deixou-o abandonado no local,  vangloriando-se do seu feito perante  terceiros.
 
O animal esteve em sofrimento mais de 24 horas até que foi encontrado pelo dono que pediu ajuda. Foi de imediato transportado para uma clínica veterinária por uma voluntária mas já não foi possível fazer nada por ele. Faleceu pouco depois.
 
Tal acto de  crueldade choca qualquer pessoa éticamente bem formada e sensível ao sofrimento, independentemente da maior ou menor simpatia que  tenha pelos animais.
 
A comunicação social desempenha – ou pode desempenhar, se o pretender – um importante papel na formação da consciência ética e cívica dos cidadãos noticiando actos reprováveis como o referido e a que ninguém moralmente bem formado pode ficar indiferente.
 
Aliás, a investigação criminal e as estatísticas demonstram que quem pratica crueldade contra os animais pratica-a também contra humanos, sobretudo contra os mais indefesos. A maioria dos autores de homicídios, ofensas corporais graves, violação,  abuso sexual de menores e roubos, começaram por praticar maus tratos contra animais, passando depois à família e por último a outros cidadãos. Por isso mesmo, as polícias, a nível mundial, tomam cada vez mais em consideração na investigação criminal  a prática de crueldade contra animais por parte dos suspeitos. A insensibilidade face ao sofrimento é igual, quer a vítima seja humana ou não humana, precisamente porque no sofrimento os animais sencientes não se distinguem dos humanos.
 
É errado pensar-se que a violência e crueldade contra animais é um problema menor entre os vários problemas sociais e que, por isso mesmo, não deve merecer atenção por parte dos meios de comunicação social. A denúncia da crueldade contra animais além de contribuir  para a formação da consciência ética dos cidadãos relativamente ao respeito pelo sofrimento dos animais, funciona também como prevenção da criminalidade contra as pessoas.
 
Com os melhores cumprimentos,
 
Maria da Conceição Valdágua”

Posted in Crueldades e Denúncias | 4 Comments »

Eles também sentem dor…

Posted by apacanimaiscadaval em Outubro 25, 2008

Posted in Crueldades e Denúncias | Leave a Comment »

Testes em animais

Posted by apacanimaiscadaval em Outubro 25, 2008

Posted in Crueldades e Denúncias | 4 Comments »

A história de Pitchula

Posted by apacanimaiscadaval em Setembro 16, 2008

30 Jan 2008

A história de Pitchula

Relato do Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba:

massacrecao.jpg

Como Pitchula foi encontrada

O proprietário da Alarm Dog, empresa de locação de cães, será julgado no dia 31 de março  pelos maus-tratos cometidos contra uma pitbul locada na Vila Hauer. A “cão de guarda” foi resgatada pela Sociedade Protetora dos Animais de Curitiba (SPAC) no dia 26 de dezembro, após ser atacada, no dia 22, por dois cães – um mestiço de rotwailler e uma vira-lata de grande porte – com os quais dividia o serviço de “vigilância”.  Vizinhos do local entraram em contato com a Alarm Dog, porém a empresa não prestou atendimento algum à cachorra, que estava com bicheira avançada, rosto inchado e necrosando e não conseguia abrir os olhos.

Junto com os 3 cães foram encontrados duas ninhadas, uma da Pitbul e outra da vira lata. Antes que os voluntários da SPAC entrassem no local, um tratador da Alarm Dog colocou os filhotes num saco de ração. Acompanhados de autoridades da Delegacia de Proteção do Meio Ambiente (DPAM), os voluntários da SPAC conseguiram retirar a pitbul e três filhotes, sendo que um não resistiu e morreu após chegar à entidade. Todos foram examinados e atendidos por veterinárias. Enquanto se recuperava, Pitchula “Vitória”, como atualmente é chamada pelos voluntários que cuidam dela, adotou sete filhotes recém nascidos que foram abandonados na porta da SPAC.

Pitchula está com a saúde totalmente recuperada, porém as marcas da violência que sofreu ficarão para sempre. A pitbul perdeu partes do rosto e o restante ficou com cicatrizes profundas. A SPAC não teve informações do que houve com o mestiço de Rotwailler e com a vira-latas e sua ninhada, pois quando voltou ao local, não restava mais nenhum.

massacrecao1.jpg

jornale.com.br/zebeto

 

Posted in Crueldades e Denúncias | 1 Comment »

A matança das Focas…vergonha em pleno Séc. XXI

Posted by apacanimaiscadaval em Setembro 16, 2008

copyright AP Sobrevivente

Uma foca olha os corpos de outros animais mortos no primeiro dia da temporada de caça no Canadá. Outros países já se manifestaram contra a prática. O México acabou de aprovar uma legislação condenando a caça a focas. O governo belga está considerando a adoção de leis que proíbam a importação de produtos resultantes da caça desses animais.

Posted in Crueldades e Denúncias | Leave a Comment »

MALDADE COM ANIMAIS

Posted by apacanimaiscadaval em Setembro 15, 2008

Vodpod videos no longer available.

more about “MALDADE COM ANIMAIS“, posted with vodpod

 

Posted in Crueldades e Denúncias | 6 Comments »

A historia de Boris…um cão sem orelhas

Posted by apacanimaiscadaval em Agosto 31, 2008

 

Eu era apenas um cão

Um cão normal, que não fazia mal a ninguém

Até que um dia fui torturado

Massacrado por alguém!

Foi a crueldade dos homens

Aqueles que dizem ser racionais

Cortaram-me as orelhas a sangue frio

E somos nós os animais?!

Eu era amigo, meiguinho e leal

Mas fiquei com medo do mundo

Porque senti uma dor infernal

Fiquei revoltado

Não deixei mais ninguém me tocar

Tornei-me desconfiado

Os meus dias passavam-se a tremer e a rosnar

Mas houve uma miúda

Que sentiu o meu sofrimento

Acolheu-me na sua casa

Tentou tratar-me até ao último momento

Ainda passeei, ainda fui ver o mar

As pessoas chamavam-me “urso”

Porque as minhas orelhas

Foram levadas, arrastadas com o ar

Mas ela gostava de mim

E entendia a minha situação

Eu precisava de carinho

Da bondade do seu coração!!

Mas ela não me fez esquecer

E mesmo querendo ser amigo

Eu tinha medo de sofrer…

O tempo foi passando

Fiquei sujo, perdi o resto da beleza

Caminhava muitas vezes

Mas tropeçava na tristeza

Chamava-me “Ritinho”

Sempre gostou de mim

Mesmo quando os outros diziam que eu metia nojo

Tratou de mim até ao fim

E para quem não entendeu

Que eu rosnava sem maldade

Pensem bem no que me fez

A chamada humanidade?!

Hoje foi o dia da minha morte

Agradeço às poucas pessoas pela bondade

Deste mundo levo uma dúvida

O que fiz para merecer tamanha crueldade?!

Susana Alves

(Publicado na Gazeta das Caldas em 1/07/05)

Posted in Crueldades e Denúncias | 1 Comment »

Indignação…

Posted by apacanimaiscadaval em Agosto 7, 2008

Não pûde deixar de mostrar a minha indignação perante um episódio que vi hoje.

Num parque de estacionamento por aqui nas redondezas,  há uma ninhada de gatos já granditos que por ali andam ao “Deus dará”, apercebi-me de algo colado ao alcatrão do parque, fui averiguar o que era… e fiquei horrorizada quando me apercebi que aquela coisa colada ao alcatrão era nem mais nem menos que um desses gatitos.

 Infelizmente na estrada vê-se por vezes alguns cujo os restos mortais acabam por desapareçer de tanto carro lhes passar por cima, sem ninguém que lhe dê a última dignidade de o tirar na altura da morte do meio da estrada…mas num parque de estacionamento?!?

Eu ia tirar dali o que restava dele, mas era só mesmo o pêlo que restava e estava de tal maneira colado ao pavimento que só iria ficar com um bocado de pêlo na mão.

Agora pergunto, as pessoas são assim tão indiferentes com os animais, que nem se dão ao trabalho de  agarrar num saco e pô-lo para a borda…e como é que num parque de estacionamento se atropela um gatinho???

 Que tristeza…vivemos num mundo de animais e não falo dos gatos é claro.

Posted in Crueldades e Denúncias | 1 Comment »

Arte de terror!Como é possivel…

Posted by apacanimaiscadaval em Julho 30, 2008

Cão faminto torna-se obra de arte? Doentio!!!Repugnante!!!
Este caso é muito cruel e triste.
Um “artista” da Costa Rica, Guillermo Habacuc Vargas, colocou um cão faminto como obra de arte, acabando por morrer no dia seguinte. Ele não deixou ninguém dar-lhe comida e água. Este monstro pediu a umas crianças para apanharem o cão e pagou-lhes por esse trabalho sujo.
Ele amarrou o cão num canto do salão de exposições. Esta “exibição” incluía o segundo título “Tu és o que lês”, feito com comida de cão.

Neste evento, no qual o cão morreu, ele foi escolhido para representar o seu país na “Bienal Centroamericana Honduras 2008”.

 

Se este caso o perturbou, assine a petição para que ele não possa participar na dita bienal.

bienalcostarica@ gmail.com , info@ madc.ac.cr

Que revolta!
Eu respondo assim a esta noticia…
Como é possivel tanta crueldade…e as pessoas nada fizeram…ele não deixava dar água e comida…porque não houve ninguém que teve “tomates para fazê-lo”…nunca nos podemos calar a isto…calar é consentir
Carla Martins
Se quiser, também pode escrever pedindo que este monstro não represente o seu país para

Posted in Crueldades e Denúncias | Com as etiquetas : | 9 Comments »

 
%d bloggers like this: